domingo, 20 de janeiro de 2013

Velhas recordações de uma Guidoval - Sapé


Velhas recordações de uma Guidoval - Sapé
Comentários no facebook

Lendo alguns comentários postados no facebook lembrei-me de alguns provérbios “Quirinianos” que a meninada de Guidoval falava na década de 60:
Vai chupar prego até virar tachinha

Outro era:
Chô barata, galinha te cata

E mais este:
Vai fazer c*c* na latinha”.


(Paulo Emílio Simões)
 Tentando ajudar seus neurônios:"Vá peidar n'água prá fazer borbolhas",Anda sumido, héin?(quem some é burro no pasto),Vê se aparece(quem aparece é assombração),Em festa de inhambú jacú não entra(ou vice-versa),tem mais?

(Ildefonso Vieira)
 Tinha também "Bosta não, curió!"

(Jose Maria De Guidoval Matos)
 Osprum
(Ildefonso Vieira)
 Agripino, Teteco, Quirino, Ôsprum, Ô Lôco, Ilda Quiabo, Sá Lódia, Zé das Latas, Kael e Manoel da Sá Joaquina, Mané Toma-Broa, o surdo Enéas, o negro Damião José, o sorridente “fumeiro” Tuniquim, o lenhador-glutão Joviano, o menino-teimoso Elpídio, o irrestível conquistador Fenderracha, o irrequieto Pinduca.

(Jorge Sergio Gonçalves)
 Pintou saudade e que Deus o tenha e sei que sim.

(Marcus Vinicius De O. Foureaux)
 Quem aí lembra do "LÔXA"?
(Paulo Emílio Simões)
É aquêle parente do Chunda?

(Ildefonso Vieira)
 Primo do Mário?

 (Paulo Emílio Simões)
Agora é embutido, Dé.
(Gerson Occhi)
 Faltou o Zé Boiota e o Brioso.

(Ildefonso Vieira)
Não falta mais. E tem muito mais.
 Zé Pequeno, Zé Manga Rosa. Tem mais...

(Maria Ângela Azevedo Costa)
 ate que fim ficou alegre de ver essas postagem só quem viveu isso sabe
(Jorge Sergio Gonçalves)
E o "Índio Véia?"
"Índia Véia" = Baiano

(Lucas Pinheiro)
 Tieta, início da década de 90

(Ildefonso Vieira)
Zé do Brejo, Zé Manga Rosa, Zé Bento, Zé do Gil.
Maria Sabiá, Maria Triste, Maria Tatanita,
"Belo saiu, Belo foi murçá, Belo não demora, Belo vorta já"
Belo mudou: Debaixo do Otaço, difronte o Trajano.
Zé do Fio (Barão): A vida está no sentir.

(Lucas Pinheiro)
Luizinho, vendia picolé e laranja. Lembro da sua máquina a manivela para descascar a laranja.

(Ildefonso Vieira)
Peril. Não se pode esquecer do Peril.

(Jorge Sergio Gonçalves)
Isso mesmo, me enganei: Barão o Índia Véia
Luzinho Dreja ou Cota Aqui

(Ildefonso Vieira)
Dimas "Jacaré", porteiro do cinema do Severino Occhi. E o "Mala" da Rua Santa Cruz.
ZéTimotéo com o Piano da prefeitura.
Laeta, como esquecer da Laeta. E a Delina?
O Zé Guarani, na ponte do Joca, com as suas três esposas.
Zé Mendes, nego véio, da Chácara do Quinca Vieira, antiga AREG, hoje Escola Municipal Antonio Barbosa Neto e Unidades Mista de Saúde Francisco Moacir da Silva e José Vieira Neto.
Zé Afra. Pedro Carioca.
A cuspida do Nicolau (sinucas do Juca Damato)
Papelaria da Sinhaninha. O sacristão Urcecino.

(Paulo Emílio Simões)
Peril, Paracelso, Tichinha, Vianeis, Luizinho...(grandes colaboradores no milagre da multiplicação,ou desperdício)

(Ildefonso Vieira)
 As feijoadas no Bar do Diógenes, o bife do Bar do Oscar Occhi. Jogo de Buraco no Bar do Jésus Fernandes.

(Jorge Sergio Gonçalves)
Peladas no Largo Santo Antonio.

(Ildefonso Vieira)
E no campo do Bambu (Vai-quem-quer). Campo do Jaburu (fundo do quintal da Dona Alzira do Pedrinho Vieira). Getúlio Vargas Futebol Clube (onde hoje mora o Grilo e o Zé Bento).

(Jorge Sergio Gonçalves)
Nadar nas três pedras e cachoeira

(Ildefonso Vieira)
Prainha e Joca.

(Paulo Emílio Simões)
E aquela sardinha lá no Zé Djalma?Sem contar com as filhas do Zé Menino.
Pinga com mel...Isto nem existe mais.Mas tinha lá no final da rua Santa Cruz.O pancadinho do Pedro Camargo que o diga,isto se a Ledinha deixar.

(Izaura Occhi) 
Não é do meu tempo , mas estou curtindo. rsrsrsr

(Paulo Emílio Simões)
Reminiscências só para a diretoria:muitos são chamados mas poucos os escolhidos, dizia o Mestre.

(Nair Oliveira Pinheiro)
 Interessante saber das "culturas" de nossa cidade. Nao sao do meu tempo, mas acho legal !!!!
Eu me lembro um pouco do Elpidio, com sua gaita, e também do Quirino . Era criança.... Chora nao Quirino. Kkkk .

(Paulo Emílio Simões)
É melhor parar por aqui,senão vão achar que o nosso tempo é bem antes de Cristo.Se bem que não está tão longe assim.Mas coisas do passado voltam sim e quem tem estas lembranças pelo menos se afasta do alemão Alzheimer.Fora Hitler!

(Ildefonso Vieira)
Campolina, Bala de Coco (chupa gostosa), palhaço Chap-Chap, Chimbica do Belé, Tutão, Benedito do Congado, Curral e Testamento do Judas.
Barbearia do Sô Nilo, Josias do Pombal, Jeová, Bijica, Odilon Reis, Sô Lau, Vicente do Dario, Neto (Berkeley Silvério Gonzaga).
O leiloeiro Sô Orestes Occhi, os marcadores de quadrilha Antônio Queiroz e Trajano Viana, as cavalhadas do Manoel Moreira, a jardineira do Sô Elísio Avidago, Geraldo Carias, Divinésio.
A charrete do Quinzin Pinto.

(Paulo Emílio Simões)
Quem "guiava" a charrete era o tonho, hoje o grande dr. Antônio Pinto hoje meritoso médico renomado e orgulhosamente guidovalense de corpo e alma.

Um comentário:

Fernanda Levindo disse...

Zé pequeno se for quem penso e já se foi era meu bisavô e manga rosa sendo quem eu acho que é foi marido de minha avó oraide que é sobrinha da parteira centenária de guidoval Maria Leopoldo..
Gostaria de saber mais sobre o Zé pequeno se puder me contar ficaria grata