quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Entrevista do Professor Antônio Barbosa na Empresa Brasil de Comunicação (EBC)



Entrevista do Professor Antônio Barbosa  na Empresa Brasil de Comunicação (EBC)

Tem a duração de 52 minutos e 41 segundos.

É mais uma aula do Professor Antônio Barbosa traçando um paralelo entre a História do Brasil e dos Estados Unidos da América, tendo como trilha sonora dois ícones da música deste dois países: Antônio Carlos Jobim e Frank Sinatra.
O saudoso amigo Dr. Ronaldo Ribeiro dos Santos fã incondicional dos "esteite", da Bossa Nova, do "The Voice", Jobim e do Antônio Barbosa iria adorar ouvir a entrevista.

Eu ouvi. Recomendo.
Na Trilha da História traça paralelo entre Brasil e Estados Unidos


Nesta semana de posse do novo presidente norte-americano Donald Trump, o Na Trilha da História faz uma comparação entre a trajetória brasileira e norte-americana. Será que a História consegue explicar por que o Brasil e os Estados Unidos se tornaram os países que são hoje? O convidado desta semana é o historiador Antônio José Barbosa, doutor em História pela Universidade de Brasília, onde também é professor.
Em relação à colonização, por exemplo, o pesquisador afirma que tem pouca importância o fato de o Brasil ter sido colonizado por Portugal, enquanto os Estados Unidos, pela Inglaterra. "A questão não é quem nos colonizou, mas como a colonização foi feita. E aí nós temos uma diferença monumental entre as duas experiências históricas", explica o professor, lembrando que no território brasileiro foi feita uma colonização de exploração, e no norte-americano, de povoamento.
Trilha Sonora
Neste episódio, a trilha sonora é formada por dois gênios da música brasileira e norte-americana: Tom Jobim e Frank Sinatra. As canções são do álbum "Francis Albert Sinatra & Antonio Carlos Jobim", de 1967. Confira a lista: "How insensitive” (letra de Norman Gimbel para a versão em inglês para a canção “Insensatez”, uma composição de Tom Jobim e Vinicius de Moraes); “Quiet nights of Quiet Stars” (letra de Gene Lees para a versão em inglês de "Corcovado", uma composição de Tom Jobim); “Meditation” (letra de Norman Gimbel para a versão em inglês de “Meditação”, uma composição de Tom Jobim e Newton Mendonça); "Dindi" (letra de Ray Gilbert para a versão brasileira com o mesmo título, uma composição de Tom Jobim e Aloysio de Oliveira); e “The Girl from Ipanema” (letra de Norman Gimbel para a versão em inglês de "Garota de Ipanema", uma composição de Tom Jobim e Vinicius de Moraes").
Confira aqui os horários do programa completo
Sábado, 16h: Rádio Nacional FM Brasília 96,1 MHz
Domingo, 23h: Rádio Nacional AM Brasília 980 KHz (em rede com a Rádio Nacional da Amazônia 11.780KHz e 6.180KHz)
Sábado, 7h e Domingo, 6h: Rádio Nacional do Rio de Janeiro 1.130KHz
Sábado, 17h: Rádio MEC AM do Rio de Janeiro 800KHZ
O Na Trilha da História é apresentado pela jornalista Isabela Azevedo. Sugestões para o programa podem ser enviadas para culturaearte@ebc.com.br.
 Foto de Marcello Casal

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

AINDA RECEBO CARTAS... e me emociono


AINDA RECEBO CARTAS... e me emociono

            Passei o Natal e comecei o Ano de 2017 em Guidoval. Retornando a BH encontrei vários correspondências. IPTU, contas  a pagar e um aviso para ir aos Correios buscar uma carta que não foi entregue por estar ausente da residência.             Ontem, 04/01/2017, dirigi-me à Agência Central dos Correios, em BH, situada na Avenida Afonso Pena. Após as formalidades legais, documento de identidade, protocolo, etc's, recebi uma carta de Ione Maciel Reis Cusati.             Dentro dela continha uma foto da Corporação Musical Belarmino Campos, um cartão de Natal e palavras gentis e carinhosas da remetente. Agradecia, emocionada, a criação do "Dia do Músico Guidovalense", um projeto de autoria do Vereador Evaldo Ribeiro Lopes.             Não há necessidade de agradecimentos, precisamos é colocar na nossa agenda o compromisso para no dia 28 de outubro de 2017 para celebrarmos e comemorarmos a primeira festa deste evento. Mais uma confraternização de guidovalenses.


sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Fotos fornecidas pelo Hélio Barbosa (Antônio José Barbosa Neto)

Fotos fornecidas pelo Hélio Barbosa

Antônio José Barbosa Neto

            Nasceu no dia 17 de agosto de 1909, no lugar denominado "Córrego de Santo Antônio", periferia de Ubá, sendo seus pais Francisco Barbosa de Sales e Carolina Maria Moreira.
            Lavrador de sete aos vinte e dois anos, em 1932, no dia dois de fevereiro veio juntar-se aos sapeenses. Em 1937 casou-se com Geni Reis Barbosa a dez de junho tendo como filhos: Márcio, Túlio, Rilma, José Francisco, Hélio, Maria Carolina e Antônio José Barbosa.
            Uma vida e um lar feliz se constrói com trabalho. E de lavrador a comerciante, a motorista profissional, "comissário", a escrivão de coletoria federal . Chefe de repartição, exator com algumas promoções, e hoje aposentado por tempo de serviço como controlador de Arrecadação Federal do Ministério da Fazenda.
            Foi eleito Vereador para a Primeira Câmara Municipal de Guidoval, exercendo o seu mandato de 27/03/1949 a 27/03/1953, sendo, inclusive, o Primeiro Secretário do nosso legislativo.

Participou do livro "Saudade Sapeense", de 1982, com poesias e acrósticos.

            Dizia, o poeta Antônio José Barbosa Neto, que "O livro é excelente conselheiro, pois nos fala em silêncio e ninguém ao nosso lado fica sabendo”.

            Na década de 40 junto com os amigos Zé Ferreirinha, Nely Cunto Pereira e Zé Baldino planejaram ir de Guidoval ao Rio de Janeiro.  No meio do caminho companheiros de jornada desistiram da aventura. O Nely retornou de Dona Euzébia e o Zé Ferreirinha e Zé Baldino voltaram de Cataguases.  O Sô Antônio Barbosa manteve firme em seu propósito e chegou até a então capital federal do país. Virou notícia de jornal.

            Escrevi um artigo sobre esta epopeia e foi publicado no jornal "Saca-Rolha".

            O seu filho Zé Francisco, poeta inspirado, escreveu um belo poema sobre ele intitulado “Quem o viu como eu vi”.

Empresta o seu nome à Escola Municipal "Antônio Barbosa Neto".

Faleceu no dia 23/02/1991.

OBSERVAÇÃO:
A informação que tenho é que o José Baldino era natural da cidade de Miraí.
Alguns ubaenses afirmam que ele era de Ubá.
O fato é que morava em Guidoval.
E junto com os conterrâneos Walter Antunes Vieira (irmão da Professora Ivone da Conceição Vieira Dutra) e Daniel de Carvalho (tio do Luiz Américo Ferreira) foram à Itália para lutar pela FEB (Força Expedicionária Brasileira) na Segunda Guerra Mundial.
José Baldino morreu durante a tomada do Monte Castelo.
É nome de rua em Miraí-MG e em São Gonçalo no estado do Rio de Janeiro.
(Rua Expedicionário José Baldino).

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Os TURUNAS - Carro Chefe-Carnaval de 1948



Os TURUNAS - Carro Chefe-Carnaval de 1948

Foto tirada tendo ao fundo da casa do Sô Custódio Reis.
A Rainha era a Luzia  e o Rei era o Tatão Siqueira.

SENTADAS NA PRIMEIRA FILEIRA
 (da direita para a esquerda):
-  Marfisa Cruz
-  Nega do Galdino
-  Uma menina da Família Trindade
-  Cotinha do Sô Custódio
-  Maria do Sô Didu
-  Iolanda (cunhada da Maria do Sô Didu)
-  Maria (filha do Péricles Mendonça da dona Galdina)

EM PÉ na PARTE TRASEIRA
-  Anália Marques
-  Dona Aldinha (mãe da Sirley)
-  (????)
-  Dona Turca
-  Dolores Trindade
-  Edite Barros

Tinha dois grupos carnavalescos.
O Turunas e o Sapeense.
O Turunas era do grupo político do Dr. Filipe Balbi e usava a cor branca.
O Sapeense era do lado Dr. Levindo Coelh e usava a cor vermelha.
(identificação feito pela Professora Carmem Cattete Reis Dornelas, numa entrevista concedida a Ildefonso Dé Vieira em dezembro de 2005.)


domingo, 11 de dezembro de 2016

A revolução e eu (Mario Vargas Llosa)

A revolução e eu

Não deixo de sentir que com Fidel se vai um sonho que comoveu minha juventude 

Em 1.º de janeiro de 1959, ao saber que Fulgencio Batista havia fugido de Cuba, saí para comemorar nas ruas de Paris com amigos latino-americanos. A vitória de Fidel Castro e dos barbudos do Movimento 26 de Julho contra a ditadura parecia um ato de absoluta justiça e uma aventura comparável à de Robin Hood. O líder cubano havia prometido uma nova era de liberdade para seu país e para a América Latina; sua transformação dos quartéis da ilha em escolas para os filhos dos camponeses parecia um excelente começo.
Foto: AFP PHOTO / Oficina de Asuntos Historicos del Consejo de Estado
Líder cubano, Fidel Castro (C), e o primeiro-ministro soviético, Nikita Kruchev (D), durante encontro em 1962 o auge da crise entre a União Soviética e os Estados Unidos
Líder cubano, Fidel Castro (C), e o primeiro-ministro soviético, Nikita Kruchev (D), durante encontro em 1962 o auge da crise entre a União Soviética e os Estados Unidos
Fui pela primeira vez a Cuba em novembro de 1962, enviado pela Rádio Televisão Francesa em plena Crise dos Mísseis. O que vi e ouvi na semana que ali passei – os aviões Sabre americanos sobrevoando o Malecón de Havana, os adolescentes que apontavam para eles canhões antiaéreos chamados bocachicas, a gigantesca mobilização popular contra a invasão que parecia iminente, o estribilho dos milicianos – “Nikita, mariquita, lo que se da no se quita” (Nikita, mariquinhas, o que se dá não se tira) protestando nas ruas contra a devolução dos mísseis – redobrou meu entusiasmo e solidariedade com a revolução. 
Entrei numa longa fila para doar sangue. Hilda Gadea, a primeira mulher de Che Guevara, que era peruana, me apresentou a Haydée Santamaría, que dirigia a Casa das Américas. Haydée me incorporou a um comitê de escritores com o qual, na década de 60, me reuni cinco vezes na capital cubana. Ao longo desses dez anos, minhas ilusões com Fidel e a revolução foram se apagando até se converterem em críticas abertas, e em ruptura final quando se deu o “caso Padilla”.
Minha primeira decepção, as primeiras dúvidas (“será que não me enganei?”) ocorreram em meados dos anos 60, quando foram criadas as Umaps – Unidades Militares de Ajuda à Produção –, um eufemismo, pois na verdade eram campos de concentração onde o governo cubano encerrou, juntos, dissidentes e delinquentes comuns e homossexuais. Entre os últimos estavam vários rapazes e moças de um grupo literário e artístico chamado A Ponte, dirigido pelo poeta José Mario, que eu conhecia.
Era uma injustiça flagrante: esses jovens eram todos revolucionários que acreditavam que a revolução levaria a justiça social não apenas aos operários e camponeses, mas também às minorias sexuais discriminadas. Eu, no entanto, vítima ainda da célebre chantagem “não dê armas ao inimigo”, engoli as dúvidas e escrevi uma carta pessoal a Fidel, detalhando minha perplexidade sobre o que vinha ocorrendo. Fidel não respondeu, mas em pouco tempo recebi um convite para um encontro.
Foi a única vez que estive com Fidel Castro; não conversamos, pois ele não era uma pessoa que admitia interlocutores, apenas ouvintes. Mas, com as 12 horas em que o ouvimos, das 8 da noite às 8 da manhã do dia seguinte, nós, os cerca de dez escritores que participaram daquele encontro, ficamos muito impressionados com aquela força da natureza, aquele mito vivo que era o gigante cubano. 
Fidel falava sem parar e sem ouvir. Contava histórias de Sierra Maestra pulando em cima da mesa e fazia enigmas sobre o Che, que estava desaparecido e não se sabia em que lugar das Américas reapareceria, à frente da nova guerrilha. Reconheceu que haviam sido cometidas algumas injustiças pelas Umaps – que seriam corrigidas –, e explicou que era preciso entender as famílias camponesas, cujos filhos, bolsistas nas novas escolas, eram às vezes assediados pelos “enfermitos” (homossexuais). Fiquei impressionado, mas não convencido. A partir de então, ainda que em silêncio, fui percebendo que a realidade estava muito longe do mito que Cuba havia se tornado.

Fidel Castro: o líder da Revolução Cubana

31
Padilla. A ruptura veio quando eclodiu o caso do poeta Heberto Padilla, no início de 1970. Padilla era um dos maiores poetas cubanos. Havia deixado a poesia para trabalhar pela revolução, na qual acreditava apaixonadamente. Chegou a ser vice-ministro do Comércio Exterior. Um dia, passou a fazer críticas, muito moderadas, à política cultural do governo. Teve início, então, uma campanha duríssima contra ele em toda a imprensa. Foi preso. Nós, que o conhecíamos e sabíamos de sua lealdade com a revolução, escrevemos uma carta – muito respeitosa – a Fidel, manifestando nossa solidariedade a Padilla.
Então o poeta reapareceu, num ato público na União dos Escritores, confessando ser agente da CIA e nos acusando, os que o haviam defendido, de servir ao imperialismo e trair a revolução, etc. Poucos dias depois assinamos uma carta muito crítica à Revolução Cubana (que eu redigi), pela qual muitos escritores não comunistas, como Jean-Paul Sartre, Susan Sontag, Carlos Fuentes e Alberto Moravia se afastavam da revolução que até então vinham defendendo.
Esse foi um pequeno episódio na história da Revolução Cubana que, para alguns, como eu, significou muito – a revalorização da cultura democrática; a ideia de que as instituições são mais importantes do que as pessoas para que uma sociedade seja livre; que sem eleições, nem jornalismo independente, nem direitos humanos, a ditadura se instala e vai transformando os cidadãos em autômatos e se eterniza no poder até dominar tudo, mergulhando no desânimo e asfixiando os que não fazem parte da nomenclatura privilegiada.
Estaria Cuba melhor agora, depois dos 57 anos em que Fidel Castro esteve no poder? É um país mais pobre que a horrenda sociedade da qual Batista fugiu naquele 31 de dezembro de 1958 e tem o triste privilégio de ser a ditadura mais longa de que já padeceu o continente americano. Os progressos nos campos da educação e da saúde podem ser reais, mas não convenceram o povo cubano em geral – que, em sua imensa maioria, quer fugir para os Estados Unidos mesmo desafiando os tubarões. E o sonho da nomenclatura, agora que já não pode viver das dádivas da falida Venezuela, é que venha o dinheiro dos EUA para salvar a ilha da ruína econômica em que se debate. 
Há tempos a revolução deixou de ser o modelo que foi no início. Só o que resta é o penoso saldo dos milhares de jovens que morreram em todas as montanhas das Américas tentando repetir a façanha dos barbudos do Movimento 26 de Julho. Para que serviu tanto sonho e sacrifício? Para dar força às ditaduras militares e atrasar em várias décadas a modernização e a democratização da América Latina.
Ao eleger o modelo soviético, Fidel Castro se garantiu no poder absoluto por mais de meio século. Mas deixa um país em ruínas e um fracasso social, econômico e cultural que parece ter vacinado contra as utopias sociais a maioria dos latino-americanos que, finalmente, depois de sangrentas revoluções e ferozes repressões, parece estar entendendo que o único progresso verdadeiro é o que faz avançar simultaneamente a liberdade e a justiça, pois sem liberdade o progresso é só um efêmero fogo-fátuo.
Julgamento. Ainda que esteja certo de que a história não absolverá Fidel Castro, não deixo de sentir que com ele se vai um sonho que comoveu minha juventude e a de tantos jovens de minha geração, impacientes e impetuosos, que acreditaram que os fuzis poderiam queimar etapas e trazer mais depressa o céu para a terra. Agora sabemos que isso acontece apenas nos sonhos e nas fantasias da literatura. 
Na árida e crua realidade, o progresso verdadeiro resulta do esforço compartilhado e deve estar sempre atrelado ao avanço da liberdade e dos direitos humanos – sem os quais não é o paraíso, mas o inferno que se instala neste mundo que nos coube. / TRADUÇÃO DE ROBERTO MUNIZ
*É PRÊMIO NOBEL DE LITERATURA
© 2016 EDICIONES EL PAÍS, SL. DIREITOS RESERVADOS. PUBLICADO SOB LICENÇA

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

LANÇAMENTO do livro "num canto qualquer"



LANÇAMENTO do livro "num canto qualquer"


            A Maria das Graças Santos Carmo convida para o coquetel de lançamento de seu livro "num canto qualquer".

            Será no dia 17 de dezembro de 2016, às 18 horas, no espaço de festas da Nino's Pousada, centro, Guarani.

O seu primo Marquim Cremonese a chama de Gagaça do Aparecida do Beijo. É sobrinha do meu saudoso primo Mundico, neta da minha Tia Feinha (Guiomar Santa Branca de Castella) e Tio Tianin (Cristiano Alves Filho).

Professora primária, graduou-se em Letras e pós-graduação em Língua Portuguesa. Com premiação, participou de vários concursos literários.

No ano de 2000, ela lançou o livro “Na Contramão da Vida” que teve grande repercussão.

Agora com este novo livro ela se firma e confirma como uma escritora de talento.