sábado, 19 de janeiro de 2019

BODAS DE ESMERALDA /RUBI


BODAS DE ESMERALDA /RUBI

No dia 19/01/1972, portanto há 46 anos, a Marta Ribeiral me convidou para o seu aniversário que seria comemorado em Cataguases, onde ela residia à época.

Infelizmente não pude ir. Neste exato dia eu tive que ir ao Colégio Agrícola de Rio Pomba pegar um atestado confirmando que eu havia terminado o Curso de Técnico Agrícola.

Necessitava deste documento, pois no dia seguinte, cedinho, parti para Belo Horizonte em busca de trabalho. E como ainda não estava registrado o diploma, eu precisava de pelo menos uma “declaração escrita” do Colégio para que eu pudesse me apresentar às empresas como o IBC, ACAR (hoje EMATER), Itambé, CAMIG, etc...

Mas prometi à Marta que no próximo ano eu iria no seu aniversário, estivesse onde eu estivesse, eu comparecia aos festejos da sua data natalícia.

Mundo girou, uns 366 dias, pois 1972 era bissexto. E no dia 19 de janeiro de 1973 eu estava trabalhando na CEMIG na cidade de São João del Rei. Fui contratado em 09/08/1972 para executar serviços na área de eletricicação rural.

E como promessa é para ser cumprida, pedi ao meu chefe para me dispensar na parte da tarde, de uma sexta-feira, para honrar o compromisso firmado.

Uma epopéia. Tive que pegar um ônibus de São João del Rei a Juiz de Fora. Depois outro para Leopoldina. E como não tinha mais horários de ônibus para Cataguases, peguei um táxi que me deixou na residência do casal Roberto da Cunha Benini e Marta Ribeiral por volta das 21 horas.

A festa estava animada. Marta, a anfitriã, recebeu-me com o seu sorriso cativante e disse “sabia que você tinha voz, agora sei que tem palavra”. Ela já contava que eu não iria aparecer no seu aniversário.

Foram gratos momentos, reencontrando com o amiguirmão José Maria de Matos, a saudosa Dona Lourdes Ribeiral e os filhos Olga, Meire, Alexandre e Lourdes.

Presentes o casal Consolação Magalhães e Sebastião Mendes de Carvalho, músico criativo, que na falta do seu trombone ou acordeon, fez-se ritmista, usando uma tampinha de garrafa sob a sola de seu sapato, tirando sons imitando um afoxé, acompanhando-me ao violão.

Marília, amiga da Marta, cantava desinibida “o gato preto cruzou a estrada” sucesso do momento na voz de Ney Matogrosso do “Secos & Molhados”.

E o mundo foi girando. Seis anos depois, no dia 19/01/1979 casei-me com a Lourdes. A irmã Marta e o então marido Roberto foram testemunhas num cerimônia simples realizada na residência da Matriarca Dona Maria de Lourdes Magalhães Ribeiral, uma segunda mãe em minha vida.

O tabelião que dirigiu a solenidade, vestindo uma faixa presidencial, atravessada sobre o peito, exigiu-me que eu usasse um paletó. Como o único que eu tinha, estava na república em que eu morava, fazia parte do terno que seria usado no dia seguinte no Sacramento do Matrimônio, fiz uso do paletó emprestado pelo Roberto Benini.

E hoje, casamento civil, amanhã casamento religioso completam 40 anos.

Dizem que é Bodas de Esmeralda, outros alegam Bodas de Rubi. Só sei que tive muita sorte em minha núpcias com a namorada, amiga, companheira e amante Maria de Lourdes Ribeiral Vieira que ainda me presenteou com a querida filha Thaís Ribeiral Vieira Condessa.

Ô SORTE!!!



domingo, 9 de setembro de 2018

SAUDADES DO JORNAL SACA-ROLHA DE GUIDOVAL


SAUDADES DO JORNAL SACA-ROLHA DE GUIDOVAL


Edição Nº 1 – Abril/77
Jornalzinho Mimeografado dos Jovens Guidovalenses

PAPEANDO
" Olá Pessoal :
De hoje em diante você vai curtir um jornalzinho loucão e legal nos fins de semana. Sua meta é balançar o coreto de muito careta por aí..."
" Temos duas associações esportivas : AREG e 66, com o mesmo objetivo para uma pequena cidade; concluindo : Não constroem e não se unem. Eu só queria entender?... "
FALANDO SÉRIO
EMENDA DO DIVÓRCIO JÁ ESTÁ NO CONGRESSO
" O Senador Nelson Carneiro apresentou na sessão do Congresso Nacional sua emenda à Constituição estabelecendo a Instituição do Divórcio.(...) "

Edição Nº 2 – Maio/77
"Mãe, um abraço bem forte pelo dia de hoje. Mãe não esqueça de pedir à MÃE das mães, por todos nós".
Edição Nº 3 – Maio/77
LAMENTÁVEL
ü  As teias de aranha que rodeiam a Prefeitura Municipal, desde a Festa de SANTANA do ano passado. Será promessa?
ü  A altura dos matos na praça ?
ü  Que alguns vereadores compareçam às reuniões da Câmara Municipal como se fossem ao botequim da esquina
ü  A ausência de jovens à missa
ü  O anti-show realizado no Recanto 66.

Edição Nº 4 – Maio/77
" Quem quiser ver as teias de aranha, vá agora lá na prefeitura, ainda estão lá. Quanto aos vereadores, grande nºs deles só têm pose. Mas posudo por posudo, nós ficamos com o Barão. E a polícia não pode nos proibir de ser mais o Barão, na pose. Depois conversaremos mais. Enquanto isso, srs vereadores, não cometam mais EQUIVÔCO."

Edição Nº 5 – Junho/77
" Com brilhantismo, S. Exma. , o Governador (acompanhado de palmas dos políticos presentes) cortou a fita que impedia o trânsito da rodovia recém-asfaltada : UBÁ/GUIDOVAL e por justiça assim resolvemos designar "CAMINHO DE LAS ESTINTAS POEIRAS."


Edição Nº 6 – Junho/77
"Preço deste exemplar : CR$ 2,00 (Mais barato que um churrasco duro, sem tempero, pequeno e velho da Churrascaria Beira Rampa)".


Edição Especial – Junho/77
"OS JOVENS ESTÃO DE LUTO". "ADEUS MARIA DAS GRAÇAS".

Edição Nº 8 – 02/07/77
"Preço deste exemplar : CR$ 2,00 (Preço curto. Mais curto que a língua de muita gente por aí.)"
Edição Nº 9 – 14/07/77
ANDARAM PERGUNTANDO POR AÍ
"Por que não instalaram um escritório da EMATER em Guidoval. Já que a nossa cidade é essencialmente agrícola



Edição Nº10 – 24/07/77

SACA-ROLHA apresenta Poetas Guidovalenses

ROBOT de José Geraldo
Corre ! Grita o cérebro, corre tolo !
Anda, anda rápido bobo !
Corre, como máquina, o rolo.
Anda, como na estepe, o lobo.
Ontem a fera na caça à vítima
Hoje a esfera da raça lídima.
Faminta no deserto escuro,
Escravo do ferro e do aço duro.
O homem !.. A máquina !.. Frenesi !
A fome !.. a ilusão luzidia !..
O amor à máquina... a vida vazia.
Corre, grita ao cérebro, corre aqui.
Transmutação ! Corre, corre !
Viva a ciência saturada
Tropeça, anda, cai e morre...
Foi homem... é máquina sagrada.
O tempo fumega e range,
No alto da torre e chaminé.
Corre, tolo ! Grita a lâmina que tange,
O ferro bruto do cume ao sopé.
No altaraço o robô trepida...
Tem nas mãos o séquito sagaz...
A chapa da lei e da vida.
A tremular sangrenta e fugaz.
A lei é guerra atroz.
Corre, tolo ! Corre agora !
Quem foi da sempre algoz,
Hoje máquina se enamora.
Ribombam motores que chegam,
Guincham homens e escondem,
Fugidios, moribundos, resfolegam,
O fumo mortal que produzem.
Corre tolo ! Grita o cérebro, corre !
Sua essência agora controlada,
Vagueia louca, fundo e morre,
Na lama da vida programada.
Agora... corre fustigado,
Pelo aço que lhe persegue.
Caminha, trôpego e cansado
Para o forno, o seu albergue.

Edição Nº 11 – 06 de agosto de 1.977
PAPEANDO

" O SACA-ROLHA inicia hoje uma nova fase em sua vida com uma edição que julgamos histórica. Ela é quase toda dedicada à cobertura da Festa de Sant`Ana e dia do Guidovalense onde são registrados muitos fatos importantes e, entre eles, a primeira inauguração do Prefeito Municipal José Vieira Neto, a Escola Municipal D. Leonor de Araújo Porto (D. Leonor : Bondade !).

(...) Hoje estamos de "roupa nova" e você, leitor, é um dos muitos responsáveis por ela."

Edição Nº 12 – 27 de agosto de 1.977

O DUELO
" Lá prás bandas da Cachoeira, vindo de caminhos opostos, seguindo por estradas diferentes, defrontaram-se a CULTURA e a POLÍTICA.
A Cultura de bengala, cansaço visível diante uma luta inglória.
A Política de guarda-chuva em punho, colete, e sobretudo distribuindo sorrisos de promessas."
SACA-ROLHA PROMOVE CONCURSO : CONTOS
Edição Nº 13 – Setembro de 1.977
PREÇO : CR$ 3,00 (Mais barato que meio litro de gasolina)

O DUELO (continuação)
"A CULTURA escolheu como arma a PALAVRA. A POLÍTICA ficou a MEIA-PALAVRA.”

A GARÇA BRANCA (Pe. Casemiro Campos, S.D.N.)
(...) Assim como a garça branca se conserva limpa, em meio a sujeira, tais jovens mantêm sua dignidade humana e cristã em nossos ambientes moralmente purulentos.
Você, caro leitor, gostaria de engrossar essas fileiras luminosas?
BOIS DO DELEGADO FAZEM JARDIM DA PRAÇA DE PASTO
O BANHO NA CACHOEIRA (Ibsen Francisco de Sales)
(...) - A gente não vê a doença, ela é tão pequenina que a gente não vê.

- Se eu achar uma doença lá, eu mato ela. (...)
Festival de Batidas pode ser uma confraternização Guidovalense.
Edição Nº 14 – 30 de Setembro de 1.977
PREÇO : CR$ 3,00 (Mais caro que 3 rolos de Papel Higiênico)

PAPEANDO
(...) das gozações do MOITA ou ainda através de artigos loucos como os do SUGUIS TONANI, temos reclamado para nossa cidade três coisas de fundamental importância prá nosso povo e nossa juventude : asfalto, Escola de 2º Grau e Quadras de Esportes.(...)

POLÍCIA E RUA DO LAZER
(...) Tudo corria bem com o povo (estudantes do 1º e 2º graus, crianças, senhores, senhoras de várias idades) se divertindo quando apareceu o Delegado (...)

Edição Nº 15 – 15 de outubro de 1.977
PREÇO: CR$ 3,00 (Mais barato que duas ou três pingas)

Em três meses morreram mais de 24 Guidovalenses
Mas cidades do interior e pequenas como a nossa, chama a atenção quando batem os sinos da igreja, aquela batida conhecida e triste, anunciando enterro ou então aquele anúncio fúnebre avisando o falecimento de alguém.

Edição Nº 16 – 29 de outubro de 1.977
PREÇO: CR$ 3,00 (Colaborando com a Campanha da Pechincha Cr$ 2,99)

Dona Maria, a parteira
Dona Maria é conhecida de todos nós, principalmente como parteira. Ela é filha da Dona Elisa ( ou Mãe Elisa ou Vó Elisa ou Madrinha Elisa). Segundo ela, quando o Dr. Mário Meireles era casado de novo, ela o ajudava como parteira(...)

Edição Nº 17 – 12 de novembro de 1.977
PREÇO: CR$ 3,00 (Cr$ 1,00 de brincadeiras, Cr$ 1,00 de verdades e Cr$ 1,00 de besteiras)
Crime contra a natureza e contra a pessoa humana

(...) abaixo assinado que será enviado à Secretaria de Ciências e Tecnologia do Estado de Minas Gerais, pedindo medidas imediatas contra a poluição do Rio Chopotó e a devastação da flora.

O abaixo assinado denuncia como principal poluidor a Usina Açucareira de Visconde do Rio Branco(...)

Edição Nº 18 – 30 de novembro de 1.977
PREÇO: CR$ 3,00 (Mais barato que os ENGOV que você gastou nesse Festival de Batidas)

PAPEANDO

Nosso Jornal tem procurado trazer ao debate assuntos (hic) importantes (hic) : Asfalto, Escola de 2º Festival de Batidas, Mini-Saias. Oh! Mini-Olimpíada...

Ô garota bonita, a lá! (Hic). Não somos políticos. Nós queremos é motor de arranque para evitar nosso suor virgem. Porque sem guindaste não podemos fazer nada. Nada vai levantar (hic). "Se a canoa não virar, olê, olê, oláaa, nóis chega láa."

Isto porque, se o asfalto "não vier" até dezembro (huáááaáá) vamos dar nokaute (êta batida boa!) sou flamengo sim. O que vocês têm com isto? Galôôô!

(...) Mas mudando de assunto (hic) vamos deixar de falar sério. Vamos brincar um pouco. Nós queremos é ver nossos netos tomando batidas, digo estudando em nossa escola de samba (hic) Não! Na Escola de 2º grau, (...)


Edição Nº 21 – 11 de março de 1.978

A BROTAÇÃO ( Dr. Jorge Sobral Venâncio )

(...) É para você, jovem, que confia no amanhã, que acredita na força do amor, que anda ansioso por um palavra amiga, que resolvi escrever. Você é capaz. Espero que um dia você desabroche, dando ao mundo uma resposta de otimismo em troca de tanto negativismo. É hora de brotação.

Edição Nº 23 – 3 de junho de 1.978
FESTA DO JUBILEU DA ESCOLA GUIDO MARLIÈRE

Dia 1º de Maio
De manhã, no Ginásio, inauguração do busto do Prof. Ernâni Rodrigues, hora em que o povo guidovalense demonstrava toda sua gratidão ao ilustre professor.


Edição Nº 28 – 13 de junho de 1.979
EXTRA
Foi criada a LAG - Liga Atlética Guidovalense a qual se organizou um campeonato com a participação de 14 times das zonas rural e urbana.


Edição Nº 32 – 30 de março de 1.980

Endereço : CÉU

Madrinha Alzira
(...)Sabe o que eu fiz madrinha? Rezei. Sim, rezei como um bom cristão. (...)

REALIDADE
O Governo Ozanan deu muito a Guidoval. Mas não a escola de 2º grau. Soubemos agora, e talvez ainda este ano teremos a tão sonhada escola. Acreditamos que o senhor Ozanan Coelho tem muito a ver com esta realização.


Edição Nº 34 – 1º de maio de 1.980

X O P O T Ó
(...) O que não pode acontecer é a passividade que estamos assistindo diante de um fato realmente grave e que poderá trazer conseqüências inimagináveis.


Edição Nº 34 – 25 de março de 1.995 ( Ano 19)

PAPEANDO
Estamos reeditando o SACA-ROLHA que nasceu em 1.977 e durante alguns anos circulou em nosso município como um jornal brincalhão(...)

ANDARAM PERGUNTANDO POR AÍ
Se os coletores de lixo colocados em várias ruas da cidade são também para as pessoas colocarem restos de comidas, carnes podres e outros detritos e se as pessoas que fazem isto o faz por ignorância ou maldade?

ECOLOGIA
(...) parem de agredir o já quase morto Rio Chopotó. Poupem-no do lixo, das toneladas de mangas e frangos podres, etc..


Edição Nº 40 – 19 de agosto de 1.995

Associação Espíritas "Geralda Geuza Baptista de Vasconcelos"
A Diretoria da A.SE vem através do seu presidente Sr. José Gomes Teixeira, agradecer a todos aqueles que direta ou indiretamente contribuíram para que pudéssemos construir esta casa que brevemente estará atendendo às crianças carentes desta cidade
Edição Nº 43 – 29 de dezembro de 1.995

Alunos da EE Guido Marlière pedem a saída da diretora
(...)Deram início à passeata que protestava contra as irregularidades cometidas pela diretora da Escola estadual Guido Marlière.(...)



Edição Nº 48 – 15 de junho de 1.996

EDITORIAL
Em 1.978, portanto há 18 anos, este jornal denunciava a poluição do Rio Chopotó e reclamava daquele verdadeiro crime contra a natureza e seus efeitos negativos(...)


Edição Nº 49 – 26 de julho de 1.996

SUAS CARTAS

Prezado Renato,

(...) Relembra ainda a dedicação, o esforço e persistência do inesquecível enfermeiro Renato Ramos, de saudosa e sentida memória.

Não se pode esquecer o Ursecino-Secino, sacristão por várias décadas. (...)

Que a coragem seja a sua companheira. Abraços,
Edgar Reis de Andrade - Belo Horizonte




Edição Nº 50 – 17 de agosto de 1.996

Encenação em homenagem a Virgem Maria
Não aconteceu porque o responsável pelo som e demais gravações enrolou por mais de 15 dias prometendo comparecer e sempre adiando até chegar o último dia e não haver mais tempo para fazer as gravações.(...) D. Carmem não merecia isto, os católicos que esperavam a encenação também não. Ficou muito feio para muita gente!

Edição Nº 53 – 29 de fevereiro de 1.997

CORREÇÃO
(...) " o ex-deputado federal Saulo Coelho, teria declarado numa entrevista que a moral do Sr. Ibrahim Jacob é proporcional ao seu tamanho". Erramos e pedimos desculpas e fazemos a correção. O Dr. Saulo Coelho declarou : "O nível de conhecimento do Sr. Ibrahim Jacob é diretamente proporcional ao seu tamanho físico".


Edição Nº 59 – 29 de novembro de 1.997

A Municipalização e o Futuro dos Jovens

" A Câmara Municipal de Guidoval acaba de aprovar o projeto de municipalização da Escola "Mariana de Paiva". O prefeito havia mandado um projeto pedindo a municipalização, de uma vez só, de todo o ensino do município. Passariam para a responsabilidade do município o ensino de 1º e 2º graus.(...)

SOCIAIS
"(...) Nosso particular amigo e também amigo deste jornal, Mirandolino Luis Pinheiro Filho, submeteu-se a uma operação, no dia 15 de outubro último, lá no Hospital Santa Isabel. Foi atendido pelo Dr. Kouri que, aliás lhe deu boa atenção. Para alegria de todos nós tudo correu muito bem e o nosso amigo já está restabelecido, felizmente. Assim é que é bom.


Edição Nº 62 – 15 de março de 1.998

EDITORIAL - Apoio a Cultura
"(...) Um exemplo está aí, aos olhos dos guidovalenses : o sr. Tuti (OSVALDO JOSÉ DE BARROS) tem uma grande e orgulhosa história na arte musical. É compositor de CENTENAS de músicas e já deu muitas alegrias a várias gerações, milhares de guidovalenses. Hoje, aos 88 anos de idade, está doente, passando dificuldades e privações de coisa elementares, como consulta médica. (...)

BERTO DE PAULA
"(...) Algum corajoso, herói ( ou heróis ? ) resolveu dar um "trato" no Berto. Pegou aquele montinho de gente indefeso bateu-lhe no rosto com pedra ou outro objeto pesado. Quebrou-lhe os ossos da face direita, arrancou-lhe quase todos os dentes (alguns inteiros), quebrou-lhe a boca. Foi embora pensando que o Berto estava morto.(...)





Edição Nº 64 – 30 de maio de 1.998

A PEDIDOS

" Em abril de 1.977, abandonado sem sutileza no Fundão, largado displicente na Esquina, disperso afoito e bebadamente em bares e botequins, infiltrado clandestinamente por debaixo de algumas portas de respeitáveis lares guidovalenses, surgiu o SACA-ROLHA.

A princípio, uma BRINCADEIRA, anônima, provocativa e rebelde dos jovens Antônio Augusto (Brito) Rossi, Márcio Dias, Edgar Avidago Andrade e Luiz Oliveira, exposta, quase que ilegível; em papel mimeografado, que pretensiosa auto - intitulava-se de " jornalzinho dos jovens guidovalenses".

Ao que parecia um despropósito, de imediato, veio socorrer, e mais uma vez e como sempre; dar credibilidade, o Sr. Trajano Viana, um guardião de nossa história e cultura.

O que poderia ser uma farra de outono "ENGELECIDA" no nosso inverno, sempre generoso, transformou-se num compromisso "tropical" e candente, nas mãos, nos poros, voz e luta eloqüente do meu amigo Renatinho (Renato Moreira da Silva), nem sempre compreendido; mas porta-estandarte, desta batalha, quase inglória, mesmo que infinda, eterna e duradoura.

Como intruso, participei do início da existência do SACA-ROLHA. Escrevi e opinei. Sempre encontrei guarida às minhas manifestações, obtusas, disparatadas ou ímpares.

Divergi, resmunguei, discordei, briguei. Nunca encontrei censuras às minhas contestações. Posso afiançar o SACA-ROLHA é o porta-voz dos anseios guidovalenses. Merece todo crédito e apoio. Vale tentar e enfrentar este desafio.

É preciso que todo guidovalense que se orgulha de sua terra, Presente ou AUSENTE, colabore para a sua existência, se possível, PRINCIPALMENTE contribuindo financeiramente.

Pode não ser a melhor voz que ressoa, desperta e discute todas as nossas inquietações, mas é somente a ÚNICA disposta a REBELAR contra o cotidiano vulgar.

Observações Desnecessárias :

Poderia falar do SACA-ROLHA que teve como colunistas o Padre Casemiro, o Dr. Wilton Franco, o Dr. Jorge Sobral Venâncio, o Dr. Ronaldo Ribeiro dos Santos, o Professor Ibsen Francisco de Sales (SALIM), o Professor Antônio José Barbosa, o magnânimo José Geraldo (sei que a sua humildade vai detestar, mas é o menor adjetivo que encontrei para expressar todo o seu talento)

Poderia falar do LUTO do SACA-ROLHA pela morte da Gracinha do Geraldo ( Kôde ) Franco. (Ver edição de julho/77 – Ano I )

Se espaço houvesse, falaria da Edição Nº 12, de 27/08/77, que promoveu Concurso de Contos, brigou pelo asfalto Guidoval-Ubá, o Colégio de 2º Grau, os bois do delegado de polícia "pastando na pracinha", do lançamento da Luz Negra ( deficiência de iluminação nas ruas ), o mau cheiro nas ruas centrais e " se vereador com cara fechada mete medo".

Tem mais, o SACA-ROLHA, promovendo incentivando o Festival de Batidas, a Mini Olimpíada Guidovalense, Missa dos Dias dos Pais, condenando o gesto DESUMANO de "marmanjos e marmanjas" agredindo um indigente com problemas mentais.

Parece que foi HOJE, foi bem antes de ONTEM. Infelizmente não prestaram atenção ao SACA-ROLHA.ONTEM pode Ser HOJE que bem pode ser AMANHÃ.


Recado para Rodrigo M. de Oliveira

Leio sempre o SACA-ROLHA, quando chega à minha casa. (RARAMENTE)
Me entusiasma a sua dedicação e inteligência em defesa da ECOLOGIA. Busque entre seus amigos e guidovalenses, Britos, Marcinhos, Luizinhos e Edgares, se possível novos Renatinhos. Guidoval precisa de novos sonhadores.