quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Tú Me Acostumbraste (vários intérpretes)


Tú Me Acostumbraste (Lucho Gatica)

Tú me acostumbraste
a todas esas cosas,
y tú me enseñaste
que son maravillosas.

Sútil llegaste a mí como una tentación
llenando de inquietu mi corazón.

Yo no comprendía cómo se quería
en tu mundo raro y por ti aprendí.
Por eso me pregunto al ver que me olvidaste
por qué no me enseñaste cómo se vive sin ti.
Por eso me pregunto al ver que me olvidaste
por qué no me enseñaste cómo se vive sin ti.
por qué no me enseñaste cómo se vive sin ti.
por qué no me enseñaste cómo se vive sin ti.


Tu Me Acostumbraste (Caetano Veloso)

Tu me acostumbraste, a todas esas cosas
Y tu me enseñaste, que son maravillosas
Sutil llegaste a mi como una tentación
Llenando de inquietud mi corazón
Yo no yo no concebia como se quería
En tu mundo raro y por ti aprendí
Por eso me pregunto al ver que me olvidaste
Por que no me enseñaste cómo se vive sin ti


Tú Me Acostumbraste (Luis Miguel)

Tú me acostumbraste
A todas esas cosas
Y tú me enseñaste
Que son maravillosas

Sútil llegaste a mí como una tentación
Llenando de ansiedad mi corazón
Yo no comprendía cómo se quería
En tu mundo raro y por ti aprendí

Por eso me pregunto al ver que me olvidaste
Por qué no me enseñaste cómo se vive sin ti
Por eso me pregunto al ver que me olvidaste
Por qué no me enseñaste cómo se vive sin ti

Por qué no me enseñaste cómo se vive sin ti
Por qué no me enseñaste cómo se vive sin ti


Tu me acostumbraste (Karaokê)

C7+            Dm7     G7                C7+   Am7
Tú me acostumbraste     A  todas esas cosas
            Dm7     G7                 C7+    G7 13
Y tú me enseñaste     Que son maravillosas
C7+               Eb°                    G7       E7
Sutil, llegaste a mi      Como la tentación
  Am7           D7                  G7    G7 5+
Llenando de inquietud         Mi corazón

           Dm7    G7                 C7+      Am7
Yo no concebía          Como se quería
            Dm7   G7                   C7+    C7
En tu mundo raro       Y  por ti aprendí
            F7+     Gb°                      C7+
Por eso me pregunto      Al ver que me olvidaste
A7 5+             D7 9
Por que no me enseñaste
        G7 13    C7+   Fm  C7+
Como se vive sin ti



Tu me acostumbraste (Altemar Dutra)

C7+            Dm7     G7                C7+   Am7
Tú me acostumbraste     A  todas esas cosas
            Dm7     G7                 C7+    G7 13
Y tú me enseñaste     Que son maravillosas
C7+               Eb°                    G7       E7
Sutil, llegaste a mi      Como la tentación
  Am7           D7                  G7    G7 5+
Llenando de inquietud         Mi corazón

           Dm7    G7                 C7+      Am7
Yo no concebía          Como se quería
            Dm7   G7                   C7+    C7
En tu mundo raro       Y  por ti aprendí
            F7+     Gb°                      C7+
Por eso me pregunto      Al ver que me olvidaste
A7 5+             D7 9
Por que no me enseñaste
        G7 13    C7+   Fm  C7+
Como se vive sin ti



Tú me acostumbraste (Nana Caymmi)

Tú me acostumbraste
A todas esas cosas
Y tú me enseñaste
Que son maravillosas

Sútil llegaste a mí como una tentación
Llenando de ansiedad mi corazón

Yo no conseguia cómo se quería
En tu mundo raro y por ti aprendí
Por eso me pregunto al ver que me olvidaste
Por qué no me enseñaste cómo se vive sin ti
Pero por qué no me enseñaste cómo se vive sin ti

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Ricardo Eugênio Boechat


Ricardo Eugênio Boechat



A minha rotina, de segunda à sexta-feira, é ser despertado às 07:30 hs,  através do meu rádio relógio sintonizado na Rádio BandNews FM de  Belo Horizonte, no dial 89,5. Na maioria das vezes, eu era acordado pela voz do Âncora Ricardo Boechat  comandante do noticiário.

Abria o programa fazendo um editorial sempre reverenciando os principais fatos do momento. Por volta das 08:30 hs conversava com a jornalista Mônica Bergamo."

O ponto descontraído da programação ocorria, em torno das 08:50 hs, quando papeava com o Zé Simão. E os dois desopilavam os seus fígados e o meu. Tudo era motivo para uma boa piada, uma ironia ou zombarias, tanto à esquerda, quanto à direita, sem viés ideológico. Os maus humorados de plantão, que não são poucos, poderiam achar, nestes diálogos, que eles eram antipetistas; outros, ao contrário, deveriam identificá-los como petistas de carteirinha. Eu, apenas sempre achei que os dois, Boechat e Zé Simão, cidadãos de bem com a vida. Críticos do cotidiano.

O Milton Neves vinha a seguir falar de futebol. Boechat, flamenguista na juventude, declarava-se agora um torcedor do América Mineiro.

Tinha também os comentários econômicos discutidos com o economista Luiz Carlos Mendonça de Barros.

Eu saía para as minhas caminhadas matinais carregando o meu iPod ouvindo o noticiário. Não queria perder nenhum detalhe.

À noite, acompanhava o Boechat ancorando o notíciário da TV Band e aos domingos, à meia-noite, assistia o Canal Livre.

Por vezes discordava da sua opinião, mas o bom senso me dizia “ele deve estar com a razão, pois tem mais informação do que eu”.

Por merecimento ganhou três prêmios Esso, e é recordista de vitórias no Prêmio Comunique-se, sendo o único a ganhar em três categorias diferentes (Âncora de Rádio, Colunista de Notícia e Âncora de TV).

Senti a morte do Boechat como a de um parente, de um amigo próximo e querido. Que DEUS o tenha! À Família, os meus sentimentos e a minha solidariedade.



BOECHAT VAI FAZER MUITA FALTA.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

Marcus Nogueira - AUTOBIOGRAFIA


Marcus Nogueira - AUTOBIOGRAFIA

O conterrâneo Marcus Nogueira escreveu a AUTOBIOGRAFIA “MINHA VIDA – Uma Vida com Desafios Vale a Pena ser Vivida”. O livro foi lançado em 2018.
Ele é filho de Maria do Carmo Baldi Nogueira (Juiz de Fora) e do Mario Martins Nogueira, que era conhecido em Guidoval pelo apelido de Governo, ambos já falecidos.
O seu pai, Mário, descendia de uma Família tradicional da nossa cidade. Vou recordar dos seus tios:
Sô Ita (Olinto Martins Nogueira), açougueiro, muito querido por todos que o conheceram; Dona Geralda, mãe do Toninho do Açougue, torcedora fanática do Vila Nova (Vai-quem-quer – Campo do Bambu); Dona Neném, mãe do Miguel (toureiro) e Genorinho (lateral por muitos anos do nosso glorioso alvinegro Cruzeiro); Sô Fizinho (avô do Wagner do Bar da Esquina); Dona Ilda, esposa do Sô Lau, cujos dotes culinários passou às filhas; Dona Nega, esposa do fazendeiro Ibraim Gonçalves.
         Agora, em janeiro fui presenteado com um exemplar do livro do Marcus Nogueira, que li com interesse e até me emocionei com algumas passagens, uma vez que meu pai, Zizinho do Marcílio, foi amigo do seu pai e tios. Viveram e conviveram infância, mocidade e vida adulta. Tempos duros e difíceis.

A seguir, tentarei fazer uma síntese.

É um livro honesto, franco, direto, corajoso, onde Marcus expõe a sua vida sem censura ou restrições. Ele é um exemplo de que se pode vencer na vida, conquistar e realizar os seus sonhos, mesmo vindo de origem humilde, o importante é a boa criação, os exemplos, princípios éticos, morais e religiosos.
Marcus nasceu em Guidoval em 08/07/1954. Ainda criança seus pais mudaram para Juiz de Fora, onde seu pai chegou a ter três açougues.
Aos 10 anos, em 1965, foi Coroinha na Igreja Senhora da Glória em Juiz de Fora. Tempo de missa rezada em latim. Aos 11 anos num acidente, ao atravessar uma pinguela escorregadia, caiu com a bicicleta dentro um córrego, uma vala de esgoto, perdendo vários dentes.
         Em 1967, foi estudar no Seminário São Clemente em Congonhas do Campo.
Em 1969, devido aos revezes econômicos, seus pais mudaram para Volta Redonda. Marcos teve que interromper os estudos no seminário e ajudar o pai no açougue. Aos 16 anos, apenas um rapazinho, tomava conta, sozinho de um açougue do pai.
Mas novas dificuldades financeiras obrigaram o seu pai a se desfazer dos dois açougues que possuía e retornar para Juiz de Fora. Dessa vez, Marcus continuou em Volta Redonda.
Em 1972, teve o primeiro emprego com carteira assinada, sob o regime CLT, numa empreiteira que prestava serviços à Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). Depois ainda trabalhou, como Auxiliar de Escritório, numa oficina mecânica.
Em 1973, através de concurso, ingressou na CSN, a maior indústria siderúrgica do Brasil e da América Latina, e uma das maiores do mundo.
Em 1974, aos 20 anos, retomou os estudos, fazendo Supletivo do Ginásio e, paralelamente inicou um Curso Técnico, mesmo sabendo que precisava do Diploma do Ginásio.
Mesmo ainda fazendo supletivo de ginásio e do científico prestou vestibular para três cursos: Administração de Empresas, Economia e Engenharia Civil, todas particulares. Passou em todos.
Escolheu Engenharia Civil e em 1977 iniciou o curso na Fundação Oswaldo Aranha (FOA). Conseguiu crédito educativo, que deveria ser reembolsado em cinco anos, com dois de carência. Trabalhando, em regime de turno, estudando em faculdade particular, em cinco anos formou-se em Engenharia.
Por esta época conheceu Angélica, com quem se casou em 07/01/1978. Têm duas filhas Vivian (Engenheira Civil) e Vanessa (Jornalista).
Formou-se em 1981 e em 1982, sem grandes perspectivas de ser aproveitado como engenheiro na CSN, saiu da empresa e foi trabalhar na empreiteira CONTRAP de São Paulo, onde trabalhou por quatro anos prestando serviços à PETROBRAS.
Em 1986 a Mendes Júnior o chamou para trabalhar. Saiu de uma empresa, de nível médio, para a maior construtora do Brasil, à época, Ficando na empresa até janeiro de 1996.
Mas dentro do rapaz irrequieto existia um espírito empreendedor e criou a sua própria empresa, de consultoria, para colocar em prática a experiência adquirida ao longo do tempo.
Criada no papel em 1992, em 1996 surgiu, de fato, a “Mano Engenharia e Consultoria Ltda” (Mano Consulting).
E mesmo enfrentando as várias crises pelas quais o país passou nestes últimos anos, a empresa consolidou-se no mercado, tornando-se respeitada e requisitada para serviços de Gerenciamento de Projetos e Obras, Auditoria, Consultoria nas áreas Financeira, Trabalhista e Tributária, Gestão em Processos Internos.
Tem inúmeros clientes. Citarei alguns: Alcoa, Andrade Gutierrez, Caixa Econômica Federal, Camargo Correa, Carrefour, Colégio Santo Agostinho, Energisa, FIAT, Gerdau, Petrobras, Pif-Paf, CSN, Walmart, Toshiba, Usiminas.
Em síntese, a “Mano Consulting” é uma empresa organizada para atuar com excelência e reconhecido "Know-How" na prestação de serviços especializados.
Mesmo com tantos compromissos profissionais, Marcus sempre encontra tempo para os Amigos, a Família, o Lazer. Gosta de esportes radicais, pratica rapel, faz trilhas, “trekking”, “off road”. Já saltou de paraquedas.
         Um dos últimos sonhos realizados, pelo Marcus, foi possuir um vinhedo na Argentina, no Vale del Uco,  na região de Mendonza, onde produz o seu vinho, uvas Malbec, ao qual ele deu o nome de “D’Vino”. Ao vinhedo ele deu o nome de Lucca, nome do seu primeiro neto.
No livro, tem ainda depoimentos da ex-esposa Maria Angélica Nogueira (arquiteta e poetisa), das filhas Vivian e Vanessa, das irmãs Rita e Merenice e do sócio Aloysius Alves Guimarães.
Religioso, católico, um homem de fé, Marcus construiu em sua residência uma singela Capela em homenagem à Nossa Senhora do Carmo.
Acredito que é esta religiosidade, além da criação austera dos seus pais, Mário e Maria do Carmo, que foram e são responsáveis pela formação do cidadão Marcus que soube superar e vencer as adversidades, sem nunca perder a esperança e o otimismo.
Foi muito bom conhecer um pouco da história de vida do Marcus Nogueira. Recomendo a leitura do livro.
(escrito por Ildefonso Dé Vieira – 30/01/2019)