quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Primeiro e-mail recebido de Therezinha Azevedo Cortés

Curitiba, 18 de setembro de 2.000


Olá Dé,


Primeiro quero desculpar-me pela demora em lhe parabenizar por esta tão grande demonstração de civismo de sua parte ao inserir no mundo digital uma página de nossa terra. Desde o início admirei seu trabalho, e hoje vejo o quanto tem sido significativo seu esforço para manter viva as tradições, a história a memória de nossa Guidoval.


Admiro e muito seu pioneirismo, a garra e o carinho com que tem mantido esta página. Congratulo-me com você e os seus colaboradores.


Sou sua admiradora e uma divulgadora incondicional, principalmente entre meus familiares (os que após minha vinda vieram para Curitiba, Afonso e os seus), como também meus irmãos que hoje vivem em outras cidades (Bosco em Marília, Fernando agora de volta ao Rio, Luís em Aracaju, Regina em Jundiaí).


Sou Theresinha, filha de Adelaide Bressan (costureira) e de João da Costa Azevedo (sapateiro), do qual muito me orgulho.


Desde agosto 1955 vivo em Curitiba, para onde me transferi depois de uma breve passagem pelo Rio, após o encerramento das atividades do Banco Financial da Produção onde trabalhei desde sua inauguração em 1949, até quando por força de liquidação extra judicial o mesmo encerrou suas atividades.


Posso lhe afirmar que este período marcou definitivamente a minha vida como profissional.


O curso ginasial realizado no Sacré Coeur de Marie, junto á formação recebida de minha família, embasaram toda uma perspectiva de formação para a vida e como profissional.


Em continuidade o curso de Contabilidade na Escola Técnica de Ubá, realizado á noite, experiência que me proporcionou vivenciar a vida de estudante e trabalhadora, vez que no último ano já trabalhava no banco Financial da Produção.


Nos anos que se seguiram o envolvimento com os trâmites burocráticos da criação, instalação e funcionamento do primeiro Ginásio em nossa terra, e posteriormente a função de secretária, me proporcionaram o convívio com pessoas detentoras de grandes valores morais, possuidoras de ideais elevados, amantes da cultural, e verdadeiros pioneiros da educação.


Neste ambiente de salutar convivência senti a importância de completar minha preparação para o trabalho. Com o fechamento do banco surgiu a necessidade de buscar outro emprego, outro tipo de atividade.


Saí de Guidoval com a vontade firme de encontrar um trabalho que me permitisse continuar estudando.


Exatamente este foi o motivo pelo qual me transferi para Curitiba em 1955, justamente no ano da campanha de Juscelino á presidência da República.


No ano seguinte vieram meus pais, meus irmãos e muitos de meus familiares.


Com Justiniano, um espanhol que se fez brasileiro, não por força de naturalização, mas por muito amar este Brasil, constituímos uma família.


Temos 3 filhos, Luíza, (Farmacêutica - Bioquímica e professora, Alessandra também professora de Educação Física, e Fernando, Engenheiro Florestal e 2 netos ( Lucas e Vitória).


Hoje, depois de aposentada como professora da UFPR, sou Catequista de Primeira Eucaristia, adoro o que faço.


Ser catequista me faz recordar D. Bidoca, a mãe do Ernani.


A ela devo os meus primeiros passos na formação religiosa. Ainda me recordo com carinho de D. Irailda, Dona Lyra minhas professoras do primário e o quanto me encantava ouvir Dona Nicolina, nossa Diretora do Grupo, quando nos encontros políticos nos comícios usava da palavra.


Desde que me aposentei como professora da UFPR, continuo estudando.


Descobri muitos outros desafios. Estar aqui agora lhe escrevendo é um deles.


Dé, prometo não ser este meu único contato, Mais uma vez parabéns!


Continue e conte conosco.


Abraços,

Theresinha Azevedo Cortés

Um comentário:

namanfilho disse...

Therezinha

Para uma pesquisa preciso de informações do banco financial da produção.

Por favor me retorne em namanfilho@gmail.com

Agradeço.