terça-feira, 1 de junho de 2021

Plínio Augusto de Meireles

Plínio Augusto de Meireles

Primogênito dos queridos e saudosos Dr. Mário Geraldo de Meireles e Dona Ida Marota

Ser amigo do Plíno é um privilégio. A generosidade é uma das suas inúmeras qualidades.

E ele está sempre a nos surpreender.

É Médico Veterinário, piloto de avião, carro, moto e fogão.

Faz salgados e doces, dons que herdou da sua mãe, uma mestra na arte culinária.

É músico, instrumentista, compositor, autor da melodia do Hino Oficial de Guidoval que tem a letra do saudoso Dr. Áureo Antunes Vieira.

Eu achava que, como músico, ele só tocava gaita e acordeon, entretanto agora durante a pandemia vi o Plínio voltando aos estudos de violino. Reescrevendo partituras das suas músicas em software sofisticado de computador.

Dotado de uma memória fantástica registra, com detalhes, passagens da sua profícua existência.

Escreveu o livro “Conversando Consigo Mesmo – Sem maiores pretensões”. Editou, encardenou, artesanalmente, em sua residência, e o publicou. Na ocasião foram apenas 16 exemplares. Fui um dos que tiveram a sorte de receber um exemplar. São belas histórias, reminiscências, uma declaração de amor à vida e ao ser humano.

Quando do seu aniversário de 75 anos, em 19 de junho de 2014, escrevi no BloGuidoval “Dr. Plínio Augusto de Meireles - desde 1939 fazendo amizades”. Busquei o título na xícara do Café NICE de Belo Horizonte, na Praça Sete, onde está escrito: “Desde 1939 fazendo amizades”. É claro que mandei, pelos correios, uma xicarazinha para ele. Uma pequena lembrança a quem sempre está me presenteando.

Tem vários “hobies”. Um deles é viajar.

Quando estava no México trouxe-me um calendário asteca. Todo mundo sabe o trabalhão que é trazer qualquer volume a mais na mala, principalmente quando se está no exterior.

Em outra oportunidade, visitando a Patagônia, no Polo Sul, me deu um DVD “Gigantes de Hielo - Museo del Hielo Patagônico”.

Exercitando os seus dotes gastronômicos, fez um doce de mamão cristalizado, tentando copiar a receita de Dona Alda esposa do comerciante Mário Queiroz. Depois me mandou, através de Sedex, parte da sua produção. Estava delicioso. Não sei se tão bom quanto o da Dona Alda, que não tive a chance de experimentar, e provavelmente não era, mas a energia positiva que o Plínio dispendeu na fabricação, valeu a pena.  

Doutra vez, encontrando-se com o seu amigo Marcelo Pereira descobriu que ele estava fabricando uma Cachaça Artesanal na sua Fazenda Bocaina na cidade de Baldim, MG.

Provou. Aprovou. Comprou duas garrafas e mandou entregar na minha casa. Fantástica a cachaça. Uma garrafa foi consumida, em pequenas doses, homeopáticas. A outra garrafa continua intacta, aguardando um momento especial para saboreá-la.

Da última vez em que estive em Brasília, o Plínio me pegou na casa do meu amigo e cunhado Luiz Antônio Ribeiral e me levou até o Aero Clube. Lá, ele e o filho Erick têm um hangar que abriga além de um pequeno avião, suite, quarto e cozinha, drones, notebook, tablets e outros apetrechos.

E de surpresa, quando eu assustei o Plínio já tinha me colocado dentro do pequeno avião com o Erick pilotando a máquina inventada pelo mineiro Santos Dumont.

Voamos sob os céus de Brasília, e uma parte do entorno do Distrito Federal. Sobrevoamos a cidade que o grande Presidente Juscelino Kubistchek tirou dos seus sonhos e transformou em realidade.

Mesmo eu morrendo de medo de andar de avião, principalmente num pequeno avião, que mais parece uma pluma planando ao vento, fizemos um passeio inesquecível.

Agora, nesta pandemia, fiquei sabendo que o Plínio e a esposa Leise estão morando no hangar. Lá tem ar e muito espaço, livre de aglomerações.

O Plínio do Dr. Mário é um amigo muito especial e eu o agradeço esta sua amizade.

terça-feira, 25 de maio de 2021

Principais Sintomas da COVID os mais Comuns e os Graves

 

Principais Sintomas da COVID os mais Comuns e os Graves

 

Normalmente, os primeiros sintomas incluem:

ü  Febre;

ü  Tosse, geralmente seca;

ü  Cansaço ou fadiga.

 

A COVID-19 afeta cada pessoa de formas diferentes. A maioria das pessoas infetadas desenvolve a doença com sintomas ligeiros a moderados e recupera sem necessidade de hospitalização. Porém outros sintomas iniciais não podem ser descartados como suspeita da infecção. 

 

Sintomas menos comuns:

ü  Perda de paladar ou cheiro;

ü  Congestão nasal;

ü  Conjuntivite (também conhecida como olhos vermelhos);

ü  Dor de garganta;

ü  Dor de cabeça;

ü  Tensão ou Dores musculares ou articulares;

ü  Náusea ou vômito;

ü  Diarreia;

ü  Calafrios ou tonturas. 

ü  Irritações na pele ou descoloração dos dedos das mãos ou dos pés (Diferentes tipos de erupções cutâneas);

 

Sintomas graves:

ü  Dificuldade respiratória ou falta de ar

ü  Pressão ou dor no peito

ü  Perda da fala ou capacidade motora

ü  Perda de apetite;

ü  Confusão;

ü  Dor persistente ou pressão no peito;

ü  Alta temperatura de febre (acima de 38°C) ou febre persistente.

 

Procure assistência médica imediata se tiver sintomas graves. Ligue sempre antes de se deslocar a uma instituição de saúde ou ao seu médico.

As pessoas com sintomas ligeiros, mas de outra forma saudáveis, devem tratar-se em casa.

Em média, uma pessoa infetada com o vírus demora 5-6 dias a manifestar sintomas. No entanto, pode demorar até 14 dias.

 

Outros sintomas raros são:

ü  Irritabilidade;

ü  Confusão;

ü  Consciência reduzida (às vezes associada a convulsões);

ü  Ansiedade;

ü  Depressão;

ü  Distúrbios do sono;

ü  Complicações neurológicas mais graves e raras, como acidentes vasculares cerebrais, inflamação do cérebro, delírio e danos aos nervos.

 

 

 

O CDC (Center of Disease Control), recomenda procurar um hospital quando o paciente apresenta alguns desses sintomas:

ü  Problemas respiratórios;

ü  Dor persistente ou pressão no peito;

ü  Confusão mental;

ü  Incapacidade de acordar ou ficar acordado;

ü  Pele, lábios ou leito ungueal pálido, cinza ou azulado, dependendo do tom da pele.

 

 

COM QUANTOS DIAS APARECEM OS PRIMEIROS SINAIS DE CORONAVÍRUS?

 

Após a exposição ao vírus, o período de incubação do Coronavírus é de 2 a 14 dias, que é o tempo que os sintomas podem demorar para aparecer. De acordo com os relatos de pacientes e pesquisas realizadas pelos órgãos de saúde, a maioria das pessoas começam a sentir sintomas no quinto dia de infecção ativa. 

 

Para não colocar ninguém em risco, em caso de suspeita de COVID-19 ou contato com alguém positivado, mantenha o isolamento social durante o período de incubação da doença.

 

COMO  SABER  SE  PEGUEI  O  CORONAVÍRUS?

 

Atualmente, a única maneira de descobrir se está ou não com Coronavírus no momento, é realizando os testes de COVID-19, que podem ser o de RT-PCR por nasofaringe, RT-PCR salivar e o de Antígeno.

Se deseja saber se já teve contato alguma vez na vida com o vírus, é possível realizar exames que avaliam os anticorpos presentes no organismo, como Sorologia IgM e IgG, Anticorpos totais, Sorologia IgG e Anticorpos Neutralizantes. 

 

QUANDO PROCURAR AJUDA MÉDICA?

 

Devido a superlotação de hospitais e maior risco de contaminação do vírus nesses locais, o recomendado é procurar auxílio médico presencial em apenas algumas situações. 

 

Para aqueles com sintomas menores, recomenda-se o atendimento domiciliar para auxiliar no diagnóstico do Coronavírus. O serviço é uma excelente opção para reduzir a disseminação da doença, pois permite que pacientes com suspeita de infecção não precisem ir a locais públicos e entrar em contato com um grande número de pessoas.

https://altadiagnosticos.com.br/saude/primeiros-sintomas-da-covid-19



segunda-feira, 24 de maio de 2021

Maria Madalena Vieira (Dona Tita), minha Mãe

Maria Madalena Vieira (Dona Tita), minha Mãe

Fui amado antes mesmo de existir,

nos sonhos da minha Mãe.

Muito amado antes de nascer,

nos desejos da minha Mãe.

Fui amado ao ser gerado,

no amor de meu pai e minha Mãe.

Muito amado toda uma gestação

com o esmero de minha Mãe.

Cresci sempre amado no ventre da minha Mãe.

E desde o meu nascer, por todos os meus dias,

Tive o amor mais puro, o amor de minha Mãe.

Obrigado Maria Madalena Vieira!

Obrigado Dona Tita!
Muito obrigado, Mãe!
































sábado, 17 de abril de 2021

Bonito de Minas

 

Bonito de Minas

 

O Brasil se transformou num país de mentiras e ódios. Tem uns que torcem pelo vírus, outros pela vacina. Alguns receitam placebos, outros creem na ciência. Enquanto isto são mais de 368 mil mortes por COVID.

O governo federal, através do seu presidente, desdenhou da pandemia. Disse que era uma “gripezinha”, “resfriadinho”. Criticou e duvidou da eficácia das vacinas. Suspeitou de “efeitos colaterais das máscaras”. Ironizou "Eu não sou coveiro." Retrucou "E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre." Menosprezou cidadãos ao afirmar “chega de frescura e de mimimi”, “país de maricas." Mandou jornalistas “calar a boca”, em gesto infantil deu-lhes “bananas’. Tem mais, mas acho que já chega.

Por outro lado, não vi, não li, não presenciei nenhum plano dos governos estaduais. Agiram como baratas tontas, mas em nenhum momento negligenciaram o poder devastador da pandemia. Coube aos municípios o real enfrentamento à pandemia. O Brasil tem 5.570 municípios, portanto 5.570 formas distintas de combater a pandemia.

E criou-se uma guerra de vaidades, verdades e fakes. Os “negacionistas” em busca de um milagroso tratamento a base de “Ivermectina, Cloroquina, Hidroxicloroquina”. A primeira cidade a aparecer na imprensa, em julho de 2020, vangloriando-se do “tratamento precoce” foi Porto Feliz em São Paulo. Balela. Os fatos mostraram que morriam e continuam morrendo pessoas com COVID no município. No dia 06/04/2021 tinham 55 mortes. No dia 15/04/2021, já somam 66. Aumentaram-se 11 mortes em nove dias. Uma taxa de mortalidade/mil habitantes de 124,3.

Depois surgiu Porto Seguro com a midiática Dra. Raissa Soares. Parece ser uma boa médica e bem intencionada, mas os números da cidade de Porto Seguro não são invejáveis. A taxa de mortalidade/mil habitantes é de 103,6. A sua colocação está entre os municípios brasileiros é a de núemro 2.700 º (Dois milésimo, Setingentésimo lugar).

Tem listas apócrifas constando vários municípios. Ficção, falsidades. Os últimos em evidência foram São Lourenço e Chapecó. Falácias. Não correspondem à verdade.

Recentemente, apregoaram São Lourenço com 45.851 habitantes como a nova coqueluche do tratamento precoce. Mais um engodo. Até o dia 06/04/2021 eram 55 óbitos. No dia 15/04/2021 passaram 61 mortes. A taxa de mortalidade é de 133 mortes/mil habitantes.

A última mentira sobre o “tratamento precoce” veio da cidade de Chapecó. Estima-se que a cidade tem 220.367 habitantes. Até o dia 06/04/2021 tinham 539 óbitos, que signifca uma taxa de mortalidade de 244,6/mil habitantes. Este número coloca Chapecó em 5.292º lugar. Considerando que temos 5.570 municípios é uma classificação humilhante. E nos últimos nove dias ocorreram mais 22 mortes, o que faz a taxa de mortalidade crescer para 254,6 mortes/mil habitantes.

Diante tantos números ruins e que nos fazem até ter um baixo astral resolvi buscar municípios que poderiam servir de LUZ e RUMO para enfrentar a pandemia. Resolvi pesquisar os municípios que ainda não tiveram mortes por COVID.

Encontrei 133 cidades onde não ocorreram nenhum óbito causado pela COVID. Dessas cidades, 47 cidades em Minas Gerais; 20 no Rio Grande do Sul; 10 em São Paulo e no Rio Grande do Norte; 9 em Goiás; 8 na Paraíba; 5 em Tocantins, Paraná e Piauí; 4 em Santa Catarina e 4 no Maranhão, 3 em Mato Grosso e na Bahia.

Resolvi buscar uma cidade mineira para simbolizar a felicidade de ainda não ter nenhum filho morto pela COVID. E dentre as 37 cidades, escolhi pela singeleza do nome “BONITO DE MINAS”.

É uma cidade com pouco mais de onze mil habitantes. Fica no norte Minas, uma parte do município faz divisa com a Bahia. Dista uns 644 km da capital Belo Horizonte. Tem como padroeiro o Senhor Bom Jesus.

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) não é alto, tampouco os índices financeiros. MAS, no entanto, é um dos municípios que qualquer brasileiro gostaria de estar morando (habitando) nestes tempos de pandemia.

Não conhecia, não conheço Bonito de Minas, mas faz parte dos meus planos conhecer esta cidade que valoriza a vida, respeita a vida, ama a vida.

Aí, resolvi pesquisar o que fez e o que faz esta cidade para manter-se, por enquanto, livre de mortes por COVID. O jeito foi visitar as páginas do município na internet, no facebook, nas mídias sociais.

 

E o que vi?

 

Uma prefeitura pregando ao seu povo medidas corriqueiras, falando de “Ficar em Casa”, “Mantenha distanciamento”, “Fuja de Aglomeração”, “Use mácara”, “Lave as mãos”.

 

Não se fala em “tratamento precoce”. O que se fazem são HÁBITOS COTIDIANOS.

 

Vou colocar alguns dos avisos que a Prefeitura de Bonito de Minas coloca constantemente na sua página do seu Facebook.

 

Se temos alguma coisa a aprender, e claro que temos, sobre o combate ao COVID é só seguir os ensinamentos do Bonito de Minas.

 

Ildefonso Dé Vieira